As vitrines das pinturas do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, MASP – Brasil

O projeto museográfico de Lina Bo Bardi e a evolução na conservação

  • Karen Cristine Barbosa CITAR- Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal
  • Patrícia Moreira CITAR- Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal
  • Eduarda Vieira CITAR- Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugala.

Resumen

Este artigo foca o retorno do projeto museográfico de Lina Bo Bardi para as pinturas do Museu de Arte de São Paulo, MASP (Brasil), um dos museus mais importantes do hemisfério sul, graças ao seu acervo de arte europeia.
Analisam-se a evolução da conservação das pinturas através das diferentes tipologias e sistemas de proteção com vitrines, vidros, assim como proteções do reverso, utilizados em pinturas ao longo de 50 anos, com o propósito de preservação durante exposições de longa duração e empréstimos entre museus. Se debatem os possíveis problemas de conservação derivados do fechamento das pinturas em microclimas, os efeitos dos contaminantes e da humidade relativa.

Biografía del autor

Afiliaciones del autor

Karen Cristine Barbosa: Investigadora do CITAR- Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal. Coordenou o departamento de conservação e restauração do MASP entre 1999 e 2017. Bacharel em gravura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro com especialização em conservação e restauração de bens culturais móveis pela Universidade Federal de Minas Gerais. Completou estágios avançados na área de restauração de pinturas no LACMA, Los Angeles County Museum  em Los Angeles e no KIK-IRPA, Bélgica.

Afiliaciones del autor

Patrícia Moreira: Investigadora do CITAR- Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal.

CBQF – Centro de Investigação de Biotecnologia e Química Fina, Escola Superior de Biotecnologia, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal.

Professora Auxiliar Convidada da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. Investigadora Principal dos projetos I&D Bionanosculp e Bio4Mural financiados pela FCT.

Afiliaciones del autor

Eduarda Vieira: Investigadora do CITAR- Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal.

Professora Auxiliar da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. Investigadora Principal do projeto Geo-SR financiado pela FCT.

Citas

BARBOSA, K. (2015). “Concreto e Cristal: Conservação”. Em Concreto e Cristal: O acervo do MASP nos cavaletes de Lina Bo Bardi, A. Pedrosa e L. Proença (eds.), Cobogó. São Paulo: MASP, 35-38.

BARDI, P. M. (1956). The arts in Brazil, a new museum at São Paulo. (E. del Milione, Ed.). Milão.

CORULLON, M. (2015). “Concreto e Cristal: Arquitetura”. Em Concreto e Cristal: O acervo do MASP nos cavaletes de Lina Bo Bardi, A. Pedrosa e L. Proença (eds.), Cobogó. São Paulo: MASP, 28-34.

DAHLIN, E., ed. (2010). PROPAINT - Improved Protection of Paintings during Exhibition , Storage and Transit - Final Activity Report. Kjeller. Norvegian Institute for Air Research, NILU OR 42/2010. http://propaint.nilu.no/Portals/23/PROPAINT-Final%20Report.pdf. [Consulta: 27/07/2017].

FERREIRA, C. S. F. M. (2015). Inércia higroscópica em museus instalados em edifícios antigos - Utilização de técnicas passivas no controlo da humidade relativa interior. Porto: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

GRØNTOFT, T., Thickett, D., Lankester, P., Hackney, S., Townsend, J. H., Ramsholt, K., & Garrido, M. (2016). Assessment of indoor air quality and the risk of damage to cultural heritage objects using MEMORI® dosimetry. Studies in Conservation, 61. https://doi.org/10.1080/00393630.2015.1131477. [Consulta: 27/11/2018].

MIYOSHI, A. G. (2005). Museografias do MASP. I Encontro de História da Arte - IFCH/UNICAMP. Campinas.

MIYOSHI, A. G. (2007). O edifício do Museu de Arte de São Paulo. Museologia e museografias. Universidade Estadual de Campinas.

MIYOSHI, A. G. (2011). Arquitetura em suspensão, o edifício do Museu de Arte de São Paulo. (Florada das Artes, Ed.). Campinas.

MIYOSHI, A. G. (2015). “Sobre Cristais e Paredes: Recepção Crítica do Cavaletes de Vidro e Soluções da Pinacoteca do MASP”. Em Concreto e Cristal: O acervo do MASP nos cavaletes de Lina Bo Bardi, A. Pedrosa e L. Proença (eds.), Cobogó. São Paulo: MASP, 98-109.

NOBLE, P., and A. VAN LOON. (2009). “Evaporation of Fatty Acids and Formation of Whitish Deposits on the Inside of the Glass/ Microclimate boxes: a case study in the Mauritshuis”. Em EU-PROPAINT – Improved Protection of Paintings during Exhibition, Storage and Transit. Final Activity Report 2010, ed. E. Dahlin, 149–164. Kjeller: Norwegian Institute for Air Research. 2010. Paper. http://propaint.nilu.no/Portals/23/PROPAINT-Final%20Report.pdf. [Consulta: 27/07/2017].

PADFIELD, T., & ERHARDT, D. (1987). “The spontaneous transfer to glass of an image of Joan of Arc”. Em ICOM Committee for Conservation 8th Triennial Meeting: Sydney, Australia, 6-11 September 1987: Preprints, (September 1987), 909–913.
PEDROSA, A. “Concreto e Cristal: Aprendendo com Lina”. Em Concreto e Cristal: O acervo do MASP nos cavaletes de Lina Bo Bardi, A. Pedrosa e L. Proença (eds.), Cobogó. São Paulo: MASP, 14-27.

RICHARD, M. (2007). “The Benefits and Disadvantages of adding silica gel to microclimate packages for panel paintings”. Em Museum Microclimates, T. Padfield & K. Borchersen (Eds.). Copenhagen Conference. Copenhagen: The National Museum of Denmark.

SCHIEWECK, A. (2008). Airborne Pollutants in Museum Showcase: Material Emissions, Influences, Impacts on Artworks, 1–196. Dresden: Academia de Belas Artes de Dresden.

SOZZANI, L. S. G. (1997). “An economical design for a microclimate vitrine for paintings using the picture frame as the primary housing”. Journal of the American Institute for Conservation, 36(2), 95–107.

TÉTREAULT, J. (1999). Standards for levels of pollutants in museums: Part II. Indoor Air Pollution Working Group.

THICKETT, D., & LEE, L. R. (2004). Selection of materials for the storage or display of museum objects. The British Museum Occasional Paper, (111). The British Museum, London.

TOLEDO, F., SEHN, M., SOUSA, M., BRAZOLIN, S., & HACKNEY, S. (2007). “The use of glass boxes to protect modern paintings in warm humid museums”. Em Museum Microclimates, T. Padfield & K. Borchersen (Eds.). Copenhagen Conference. Copenhagen: The National Museum of Denmark.

WADUM, J. (1995). Microclimate boxes for panel paintings. Em K. Dardes & A. Rothe (Eds.), The Structural Conservation of Panel Paintings (pp. 497–524). Getty Conservation Institute, Los Angeles; 1998.
Publicado
2019-06-27
Cómo citar éste artículo
BARBOSA, Karen Cristine; MOREIRA, Patrícia; VIEIRA, Eduarda. As vitrines das pinturas do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, MASP – Brasil. Ge-conservación, [S.l.], v. 1, n. 15, p. 18-26, jun. 2019. ISSN 1989-8568. Disponible en: <http://ge-iic.com/ojs/index.php/revista/article/view/577>. Fecha de acceso: 21 nov. 2019

Recomendaciones por el Autor (títulos/cabecera)

Recomendaciones por el Autor (sin patrón)